sexta-feira, 27 de abril de 2012

1ª Feira de Livros do Instituto de Letras

Data do evento:
Mon, 07/05/2012 - Fri, 11/05/2012

A 1ª Feira de Livros do Instituto de Letras que contará com a presença de Zuenir Ventura, Mauro Ventura, Alberto Dines, Tonico Pereira, a peça de teatro Édipo Unplugged da Cia Os F... Privilegiados, apresentação musical de Nina Wirtti e trio, oficinas de criação, exposição de artes e muito mais!


120 livros acadêmicos para download gratuito

Os livros são disponibilizados pela Cultura Acadêmica, parte da Fundação Editora da UNESP

A Universidade Estadual Paulista (UNESP), através da Cultura Acadêmica (um dos braços de sua editora principal), está disponibilizando 120 títulos acadêmicos em formato digital para download gratuito. Os livros estão divididos em 23 áreas do conhecimento e são voltados para estudantes de graduação e pós-graduação que precisam de material de apoio para desenvolver projetos acadêmicos.


quinta-feira, 26 de abril de 2012

Livros doados pelo Departamento de Serviço Social

A Biblioteca Central do Gragoatá tem o prazer de agradecer o Departamento de Serviço Social pela doação feita!!

Foram doadas várias obras importantes tanto para os usuários quanto para a composição do acervo, todos os títulos podem ser vistos na página de novas aquisições e já estão disponíveis para empréstimo.

Plano Nacional do Livro e Leitura

MinC investirá R$ 373 milhões para aumentar índices de leitura

A Ministra da Cultura, Ana de Hollanda, anunciou nesta segunda-feira (23/04), Dia Mundial do Livro e dos Direitos do Autor, investimentos de R$ 373 milhões do Ministério da Cultura no Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL) em 2012.  As ações apresentadas contemplam os quatro eixos estratégicos do Plano, que ganhou a condição de ação de governo – e não mais apenas do MinC e do Ministério da Educação – em decreto assinado no final de 2011 pela presidenta Dilma Rousseff.

Ao todo, serão 42 projetos desenvolvidos em 2012 com o objetivo de promover o livro, a leitura, a literatura, as bibliotecas e a criação e a difusão da literatura brasileira. A coordenação será da Fundação Biblioteca Nacional (FBN).

EIXOS ESTRATÉGICOS
VALOR (EM R$)
1 – Democratização do Acesso
254.627.554,16
2 – Fomento à Leitura e a Formação de Mediadores
56.165.936,11
3 – Valorização Institucional da Leitura
8.000.000,00
4 – Fomento à Cadeia Criativa e à Cadeia Produtiva
54.907.059,00
TOTAL GERAL
373.700.549,27

Para 2012, o foco são os programas de construção e modernização de bibliotecas, que estão no topo da lista de recebimento de recursos públicos.

O Ministério empregará R$ 254 milhões em ações como a implantação de bibliotecas com telecentros nas Praças dos Esportes e da Cultura/PEC; em bibliotecas do Espaço Mais cultura; na construção e reforma de bibliotecas-parque e de bibliotecas de referência. Haverá ainda apoio às bibliotecas comunitárias e pontos de leitura, e à implantação, revitalização e modernização de bibliotecas municipais.

Também haverá investimentos na ampliação dos acervos e na formação de bibliotecários e funcionários de 2.700 bibliotecas municipais e comunitárias de 1.500 municípios em todos os estados.

Outra medida anunciada foi a ampliação do calendário nacional de feiras de livro e festivais literários para 200 eventos em 2012, a maior parte deles com apoio financeiro do MinC, e apoio direto a 175 caravanas de escritores pelo País.

Ao mesmo tempo, será duplicado o número de agentes de leitura para atuar junto às famílias de baixa renda.

Entre as novidades anunciadas está a publicação de editais específicos para contemplar as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, onde os índices de leitura são mais baixos. Outra inovação é a contemplação, em um desses editais, do chamado Custo Amazônico, que prevê a transferência de 30% a mais de recursos para os estados da Amazônia Legal.

Para o presidente da Fundação Biblioteca Nacional, Galeno Amorim, que esmiuçou os objetivos do PNLL ao lado da Ministra Ana de Hollanda, “não será uma ação isolada que fará aumentar os índices de leitura no Brasil, mas sim um conjunto delas, de forma planejada, permanente e, sobretudo, crescente”.

Outros projetos anunciados:
  • Ampliação do Programa Agentes de Leitura, com criação de 4 mil agentes, junto com o Ministério da Educação, para apoiar as bibliotecas escolares/comunitárias e a fomentar a leitura entre as famílias no campo. Com os novos convênios e desembolsos, serão, no total, 7.672 agentes atuando em 2012;
  • Formação de 1.200 novos agentes mediadores de leitura em 40 encontros realizados pelos 74 comitês do Proler e, ainda, a implantação de 10 novos comitês em regiões ainda desassistidas;
  • Projeto Cidadania & Leitura, com a formação de 400 agentes mediadores de leitura para atuar em bibliotecas comunitárias, pontos de leitura e promover em ações de leitura em comunidades atendidas por 20 comitês do Proler, dentro das comemorações de seus 20 anos de fundação;
  • Programa de Formação de Pessoal para Bibliotecas, com cursos presenciais e/ou à distância que vão atender 2.800 bibliotecários e gestores. Outros 1.100 profissionais participarão, em 2012, dos cursos, seminários, encontros e painéis para oferecer maior qualificação na área;
  • Implantação de 30 pontos de leitura da Ancestralidade Africana em ex-quilombos e terreiros, mediante repasse de recursos financeiros e distribuição de acervos, mobiliários e computadores;
  • Apoio à implantação de Planos Estaduais e Municipais de Livro e Leitura;
  • Bolsa Biblioteca Nacional/Funarte de Criação Literária e Bolsa Biblioteca Nacional/Funarte de Circulação Literária, totalizando 50 bolsas para apoiar a criação literária e a circulação dos escritores das diversas regiões do país pelo território nacional;
  • Projeto Livraria Popular, com a criação de 700 pontos de venda de livros de baixo preço e formação de 1.300 micros e pequenos varejistas do livro em cursos de educação à distância;
  • Programa de Internacionalização do Livro e da Literatura Brasileira, com ampliação do número de bolsas concedidas (150 novas em 2012, além de outras 70 em andamento), implantação, em 2012, do Colégio de Tradutores (seis residentes e 160 participantes de atividades), do intercâmbio de 40 autores nacionais no exterior para divulgar suas obras e publicação de revista internacional de literatura brasileira em inglês e espanhol;
  • Ampliação da participação nas principais feiras de livros internacionais, para aumentar a presença da literatura brasileira no exterior, inclusive com realização de grandes exposições;
  • Lançamento de coleção com 100 Clássicos Brasileiros no formato ebook, para disponibilização para as bibliotecas digitais;
A Ministra Ana de Hollanda salientou que “a leitura não é um ato reflexo, aprendida naturalmente. É o resultado de uma sofisticada operação, aprendida ao longo de anos, e que, por isso mesmo, precisa ser cultivada cuidadosamente, para além dos muros da escola”.

“Para tal, precisamos de uma boa e vasta literatura, de uma competente e ampla rede editorial e de divulgação. Necessitamos de um exército de mediadores de leitura, que dentro das bibliotecas e nos mais variados espaços ajudem sobretudo crianças e jovens a descobrirem a necessidade humana do prazer da leitura”, destacou a Ministra.

Os investimentos de R$ 373 milhões do MinC no PNLL não incluem projetos e programas que ocorrerão este ano, cujos investimentos foram realizados em exercícios anteriores. Tampouco abrangem ações de outros órgãos do Governo Federal que integrarão o PNLL.


(Ascom/Minc e FBN)

Acesso à informação: lei põe o Brasil em novo patamar de transparência pública

Uma mudança de paradigma em matéria de transparência pública é o que prevê a Lei de Acesso à Informação (Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011), que regulamenta a consulta de documentos públicos e que entrará em vigor no próximo dia 16 de maio.

A lei estabelece que o acesso é a regra e que o sigilo é a exceção. Qualquer cidadão poderá solicitar acesso às informações públicas - aquelas não classificadas como sigilosas, conforme procedimento que observará regras, prazos, instrumentos de controle e recursos previstos.


Serviço de Informação ao Cidadão (SIC)

O acesso a informações públicas será assegurado por meio da criação de Serviço de Informação ao Cidadão (SIC) nos órgãos e entidades do poder público, em local com condições apropriadas para atender e orientar o público quanto ao acesso a informações; informar sobre a tramitação de documentos nas suas respectivas unidades; protocolizar documentos e requerimentos de acesso a informações.

Prazos

Com a implementação da lei, o poder público terá 20 dias, prorrogáveis por mais dez, para fornecer o dado solicitado. Quando não for possível a divulgação integral do conteúdo, fica assegurado o acesso à parte não sigilosa.

Caso a solicitação seja negada, o órgão precisará explicar o motivo pelo qual a informação não pode ser fornecida. Nesse caso, poderá ser interposto recurso contra a decisão no prazo de dez dias, dirigido à autoridade hierarquicamente superior à que exarou a decisão impugnada, que deverá se manifestar no prazo de cinco dias.

Transparência pela internet

Também está estabelecido na lei que é dever dos órgãos e entidades públicas promover, independentemente de requerimentos, a divulgação em local de fácil acesso, de informações de interesse coletivo ou geral por eles produzidas ou custodiadas.

Na divulgação dessas informações deverão constar, no mínimo:

- registro das competências e estrutura organizacional, endereços e telefones das respectivas unidades e horários de atendimento ao público;

- registros de quaisquer repasses ou transferências de recursos financeiros;

- registros das despesas;

- informações concernentes a procedimentos licitatórios, inclusive os respectivos editais e resultados, bem como a todos os contratos celebrados;

- dados gerais para o acompanhamento de programas, ações, projetos e obras de órgãos e entidades;

- respostas a perguntas mais frequentes da sociedade.

Na UFF, já está em construção um site com tais informações. Nos itens em que o órgão não divulgar no âmbito de seu próprio site, poderá ser feito link para a página da Transparência Pública do órgão.

Alcance da Lei nº 12.527

A lei vale para os órgãos públicos da administração direta dos Poderes Executivo, Legislativo, incluindo as Cortes de Contas, e Judiciário e do Ministério Público; as autarquias (caso da UFF), as fundações públicas, as empresas públicas, as sociedades de economia mista e demais entidades controladas direta ou indiretamente pela União, estados, Distrito Federal e municípios.

Na UFF, a autoridade responsável pela implementação da Lei nº 12.527 é o professor José Marcio Lima. Um grupo de trabalho foi designado para planejar e coordenar a execução, formado por servidores do Gabinete do Reitor, da Ouvidoria e das superintendências de Comunicação Social (SCS), Documentação (SDC) e Tecnologia da Informação (STI) e presidido pela ouvidora-geral, Leonora Mendes.

Classificação das informações

A partir de 16 de maio deste ano, todas as informações produzidas ou custodiadas pelo poder público e não classificadas como reservadas ou sigilosas são consideradas públicas e, portanto, acessíveis a todos os cidadãos.

Os órgãos e entidades públicas deverão reavaliar as informações classificadas como ultrassecretas e secretas no prazo de dois anos, contado do termo inicial de vigência da lei. As informações não reavaliadas no prazo previsto serão consideradas automaticamente de acesso público.

Um instrumento internacional

Com a nova lei, o Brasil cumpre compromissos assumidos perante a comunidade internacional, já que o país é signatário de convenções e tratados que preveem esse direito.

Leis como a brasileira já existem em cerca de 90 países, com o objetivo de ajudar na consolidação da democracia e no aumento da transparência do Estado. À medida que os cidadãos ganham mais poder de controle e fiscalização, as administrações públicas se tornam mais transparentes, eficientes e eficazes.

Pesquisa sobre Leitura no Brasil

Resultados foram apresentados na Câmara dos Deputados, com a presença da ministra da Cultura

A ministra da Cultura, Ana de Hollanda, compareceu na manhã desta quinta-feira, 29, na audiência pública realizada na Comissão de Educação e Cultura (CEC) da Câmara dos Deputados, onde foram apresentados os resultados da terceira edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil.
 
“Temos trabalhado muito, lançado ações, afinamos a parceria com o Ministério da Educação (MEC), temos avançado na formulação de políticas de fomento à leitura, pois essa é a condição fundamental para a formação de cidadãos leitores”, ressaltou a ministra.

Encomendada pelo Instituto Pró-Livro (IPL) ao Ibope Inteligência, a 3ª edição da pesquisa tem o objetivo central de “medir intensidade, forma, motivação e condições de leitura da população brasileira”. Segundo a ministra da Cultura, os dados da pesquisa vão contribuir para a formulação de políticas públicas destinadas ao fomento da leitura no país. Ela destacou ações de fortalecimento, a criação de bibliotecas em todos os municípios brasileiros e os programas como agentes de leitura. Também ressaltou a importância da parceria com o Ministério da Educação para que o número de brasileiros leitores continue a aumentar.

“Há uma semana inauguramos uma biblioteca no município de Afuá, na Ilha do Marajó, e assim zeramos o número de cidades paraenses que não possuíam bibliotecas. No Brasil, restam 33 municípios sem bibliotecas, mas a nossa pretensão é zerar esse déficit em breve”, disse a ministra.

Leitura no Brasil

A pesquisa aponta que o brasileiro lê em média quatro livros por ano, sendo que, destes, lê integralmente apenas 2,1 livros. O estudo revelou, também, que o país é composto por 50% de leitores (cerca de 88,2 milhões de pessoas) e outros 50% de não leitores. Entre os que leem, as mulheres são a maioria, representam 53% do total do público leitor no país. Já os que não têm o hábito de ler encontram-se na base da pirâmide social: são pessoas de idade mais avançada e tem como principais entraves à leitura a alfabetização precária, o desinteresse e a falta de tempo.

Um dos pontos positivos da pesquisa é o fato do aumento do número de pessoas que declararam a leitura como uma atividade prazerosa. Entre os autores mais lidos em nosso país está Monteiro Lobato seguido por Machado de Assis. A pesquisa revelou também que biblioteca está associada a estudo e não a um lugar de lazer. Entre as tendências reveladas pelo estudo está a melhoria do acervo para que o público das bibliotecas possa aumentar.

Capacitação

O presidente da Fundação Biblioteca Nacional, Galeno Amorim, afirmou que ações visam mudar os dados considerados negativos  e citou como exemplo o investimento de R$ 40 milhões para renovar o acervo de 2,7 mil bibliotecas em todo o país, o investimento em feiras e encontros literários em municípios de todos os estados. “Além dessas ações, também é preciso olhar para os interlocutores, nesse sentido trabalhamos na formação e capacitação de dez mil agentes de leitura. Também já estão cadastrados doze mil títulos que integrarão o programa Livro Popular e ainda este ano estarão disponíveis à população por um preço de R$ 10”, disse Amorim.

A deputada Fátima Bezerra (PT/RN), presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Livro e da Leitura e autora do requerimento para a apresentação da pesquisa na Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados,  falou da importância da parceria entre o poder legislativo e executivo para que a realidade da leitura no país possa mudar efetivamente.

“Esse estudo é muito rico e certamente apontará caminhos para a formulação de políticas públicas efetivas para a área do livro e da leitura e devemos ser parceiros, todos, cultura, educação, legislativo e executivo na construção de um tão sonhado país de leitores”, enfatizou a deputada.

A parlamentar também saudou o trabalho da ministra Ana de Hollanda à frente da pasta da Cultura e seu desempenho no diálogo com os congressistas.


Leia, também, a matéria:



(Texto: Marcos Agostinho, Ascom/MinC)

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Pesquisa da UFF sobre violência nas escolas será apresentada em conferência internacional

Pesquisa realizada pela Universidade Federal Fluminense em 13 escolas do Rio de Janeiro e 40 de Niterói e São Gonçalo, dentre estaduais, municipais e federais, constatou que 68% delas mencionaram casos de violência em suas instituições. Ao lado disso, a pesquisa constatou também que em 85% delas não havia psicólogos, ainda que 73% dos profissionais entrevistados reconhecessem ser desejável a ajuda de um psicólogo atuando em auxílio à educação.

O trabalho e seus resultados serão apresentados pela autora, professora Marília Etienne Arreguy, do Departamento de Fundamentos Pedagógicos da Faculdade de Educação da UFF, durante o 3º Ciclo Internacional de Conferências e Debates: “Crises na Esfera Educativa - Violências, Políticas e o Papel do Pesquisador”, dias 23 e 24 de abril, das 9h às 17h, no Auditório Florestan Fernandes da Faculdade de Educação da UFF, Campus do Gragoatá, Bloco D, São Domingos, Niterói.

Segundo Marília Arreguy, os professores se sentem desamparados nessas situações, o que evidencia a necessidade de inclusão de profissionais como psicólogos e assistentes sociais na rede pública, para mediação dessas relações conflituosas com crianças, jovens e suas famílias, antes que resultem em casos como o da escola de Realengo, que também é analisado pela pesquisadora. E, ainda, pode estar havendo uma medicalização excessiva de crianças, em casos diagnosticados apressadamente como de Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e “bullying”, mas que na verdade seriam comportamentos decorrentes mais das situações de risco em que vivem e são educadas essas crianças e jovens.

O encontro faz parte de um projeto de cooperação entre pesquisadores e profissionais brasileiros e franceses das áreas de saúde e educação. A pesquisadora francesa Sophie de Mijolla-Mellor, da Universidade de Paris Diderot, abre o encontro falando da responsabilidade política dos intelectuais. Serão discutidos ainda as dimensões da violência na educação contemporânea, a (in)segurança nas escolas e o problema do “bullying”, dentre outros temas.

Natação adaptada ajuda no tratamento de crianças com deficiência

O Instituto de Educação Física da UFF oferece, desde o início do ano, o Projeto Natação Adaptada, com aulas gratuitas para crianças com deficiência. O atendimento ocorre duas vezes na semana, das 13h30 às 14h30, no prédio de Educação Física, no Campus do Gragoatá, São Domingos, Niterói.

A ação de inclusão, que prioriza a qualidade, tem a coordenação dos professores Aurélio Vianna, Luiz Tadeu Paes e José Eduardo Siqueira e conta com a participação de bolsistas de extensão, treinados para atender os pacientes. O projeto é anual e aberto à comunidade, dirigido a crianças e adolescentes com qualquer tipo de deficiência, na faixa etária de 3 a 16 anos. As inscrições podem ser realizadas no Instituto de Educação Física.

Para facilitar o acesso à piscina, localizada no prédio de Educação Física, algumas medidas estão sendo tomadas, como a possibilidade da compra de um elevador apropriado para agilizar a entrada na água das pessoas com deficiência.

Segundo o professor Aurélio Vianna, “além de melhorar o condicionamento e o hábito de se exercitar, a natação adaptada é também uma prática social, que possibilita o contato e relacionamento com o outro, e serve como válvula de escape para o estresse, trabalha a musculatura e, consequentemente, a resistência e respiração, suprindo parte da falta de atividade causada pela perda de movimentos em pacientes com deficiência física”.

Outras informações pelo telefone (21) 2629-2810, do Instituto de Educação Física da UFF.

quarta-feira, 4 de abril de 2012

IX Feira das Editoras Universitárias

Uma ótima notícia para alunos, professores, pesquisadores e profissionais em busca de atualização: começa na próxima segunda-feira, dia 9 de abril, às 13h, a IX Feira das Editoras Universitárias, com a participação da UFF, UERJ, UFRJ, UFRRJ e Fiocruz, disponibilizando seus títulos com 50% de desconto. O evento, que visa promover o acesso do público ao livro acadêmico, vai até sexta-feira, dia 13, das 9h às 19h, no Bloco D do Campus Gragoatá (Rua Visconde do Rio Branco, s/no, São Domingos, Niterói). A feira ainda conta com títulos de editoras universitárias de outros estados, vendidos 30% mais baratos. A entrada é franca.


terça-feira, 3 de abril de 2012

Reforço policial será intensificado nos arredores da UFF a pedido do Reitor da Universidade

O Comando-Geral da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro informou ao reitor da Universidade Federal Fluminense, Roberto Salles, que foi determinada a intensificação do policiamento nos arredores da UFF. Salles enviou, no fim de fevereiro, ofício ao secretário de Estado de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, manifestando sua constante preocupação com a falta de segurança que atinge a comunidade universitária. Com o início das aulas, no dia 5 de março, aumenta o contingente de pessoas em Niterói, já que cerca de 45 mil estudantes da UFF, além de professores e técnico-administrativos, voltam a transitar pelas ruas do município.

No ofício, Salles relata a insegurança das pessoas diante da "situação atual da cidade de Niterói que vem sendo invadida por facções de grupos criminosos oriundos do Rio de Janeiro e que estão assumindo os morros do Palácio, da Chácara, de Souza Soares, todos em torno dos 'campi' da UFF, já com ocorrências de violência contra nossos alunos, professores e servidores, bem como a população de Niterói".

O comandante do 12º Batalhão da Polícia Militar, coronel Wolney Dias Ferreira, também enviou ao reitor Roberto Salles a Ordem de Policiamento contendo a programação intensificada do patrulhamento no entorno dos "campi" e de unidades da UFF.



domingo, 1 de abril de 2012

IMPORTANTE!!!

Devido ao não comparecimento de grande parte dos funcionários, por conta da paralisação dos motoristas e cobradores de ônibus da Região Metropolitana de Niterói, a Biblioteca Central do Gragoatá não funcionou nesta quinta, sexta e sábado, dias 29, 30 e 31 de março.

Na segunda-feira, 2 de abril, dependendo dos acontecimentos relativos a essa paralisação voltaremos às atividades normais, o telefone de contato da secretaria da Biblioteca para maiores informações é: (21) 2629-2775.

Desde já agradecemos a compreensão de todos os usuários da BCG e desejamos um ótimo fim de semana.